O importante é não ficar parado.

IMG_6062

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o sedentarismo é responsável pela morte de 5,3 milhões de pessoas no mundo anualmente. No Brasil, segundo pesquisa feita pelo Ministério do Esporte em 2015, 41,2% dos homens e 50,4% mulheres são sedentários. Nesse cenário a prática regular de atividade física surge como uma importante aliada da busca por uma vida mais saudável, promovendo bem-estar, fortalecendo o organismo e prevenindo diversas doenças. As formas de exercitar o corpo são muitas: ao ar livre, em academias, sozinho, em grupo ou com o suporte de profissionais. O importante é não ficar parado.

Fonte/Autor: Rojas Comunicação

Anúncios

Atividade física na meia idade.

image

A atividade física na meia idade pode diminuir o risco de derrame após os 65 anos, de acordo com uma nova pesquisa. Pesquisadores mostraram que de 20.000 adultos perto dos 50 anos, aqueles mais ativos tinham 37% menos risco de ter um derrame após os 65 anos, do que aqueles menos ativos. O efeito protetor da atividade permaneceu mesmo após os pesquisadores levarem em conta os fatores de risco para o derrame, como hipertensão, diabetes tipo 2 e fibrilação atrial.

Incorporar o exercício e atividade física regular na rotina é importante para melhorar o condicionamento físico e diminuir o risco de derrame e outras doenças cardiovasculares no envelhecimento. A Associação Cardíaca Americana recomenda pelo menos 150 minutos de exercício moderado na semana ou 75 minutos de exercício intenso na semana. A rotina de exercícios deve incluir tanto exercícios aeróbios como de força.

A maioria dos derrames ocorre quando um coágulo sanguíneo bloqueia um vaso sanguíneo no cérebro, cortando o sangue e oxigênio. Isso faz com que as células cerebrais morram e pode deixar sequelas permanentes. Os pesquisadores especulam que o exercício pode ajudar a prevenir o derrame mantendo os vasos sanguíneos saudáveis e diminuindo a inflamação que pode afetar sua função. Embora seja ideal praticar atividades físicas desde o começo da vida, começar a treinar mais tardiamente ainda é benéfico.

Fonte: portaldoholanda.com.br

Entenda por que aquecer antes do exercício físico é ainda mais importante no frio.

aquecimento

O frio já chegou em algumas partes do Brasil e, nesse clima, o aquecimento antes do exercício físico é muito importante. Aprenda como aquecer o corpo e a se proteger dos problemas que o inverno pode trazer.

Entenda que alongamento não é aquecimento.
O primeiro passo para fazer um bom aquecimento é entender com mais detalhes o que essa palavra significa. Confundir aquecimento com alongamento é um engano frequente. O aquecimento é uma atividade que aumente a frequência cardiorrespiratória e que leve mais sangue para os músculos, ou seja, que faça o coração bater mais rápido, a respiração ficar mais ofegante e que prepare os músculos para uma atividade mais intensa. Alongamentos não tem essa função e, embora possam ser incluídos, não representam um aquecimento propriamente dito.

Como fazer?
A ideia é ir preparando o corpo gradativamente antes da atividade física para que não haja um estímulo intenso muito brusco ao corpo ainda “frio”. Então, qualquer movimento de intensidade moderada, que cumpra a tarefa de acelerar o coração, pulmão e levar sangue para os músculos, será válido. Alguns exemplos são:
-> Caminhada rápida
-> Trote leve
-> Educativos de corrida
-> Exercícios funcionais leves
-> Pequenos saltos, com variação de altura e velocidade

Por quanto tempo?
A resposta para essa pergunta pode variar devido às características pessoais de cada um e a intensidade dos exercícios. O objetivo é fazer o aquecimento até sentir que a respiração e a frequência cardíaca estão mais altas do que no repouso e que as pernas estão mais quentes. Uma sugestão é um aquecimento de pelo menos 10 minutos.
O aquecimento é importante em qualquer época do ano, tanto para corredores novatos como para experientes. No inverno, dedique-se ainda mais a essa etapa e bons treinos.

Fonte: Portal Eu Atleta

Aqueles 20 minutinhos que emagrecem.

treino-kettlebell

Atividades intensas e curtas aceleram o metabolismo por mais tempo após o treino. Veja o que disse nosso colega e especialista Marcio Atalla sobre a dúvida da leitora.

Depois que casei e tive filhos, não consigo ter tempo para atividade física. É do trabalho para casa, para a creche do filho, para a cozinha e para a cama – porque já estou morta! Estou ficando cada vez mais sedentária, cansada e, o pior, gordinha. Se eu fizer algum exercício por 20 minutos adiantaria? Qual é mais eficiente para emagrecer? – Marina Teixeira

Adianta, sim. Vinte minutos por dia são suficientes para você ser considerada uma pessoa ativa e colher benefícios. Se a ideia é emagrecer, o melhor seriam exercícios mais intensos e mais curtos, ou seja, treinos anaeróbicos. Um estudo feito no Canadá dividiu adultos voluntários que eram sedentários em três grupos: o primeiro que continuou sedentário, o segundo que fazia 45 minutos de bicicleta ergométrica em ritmo moderado e o terceiro que fazia picos de alta intensidade de 20 segundos com descansos de dois minutos, com total de dez minutos de treino. Os grupos permaneceram com essa rotina durante 12 semanas e, ao final, os pesquisadores constataram que os exercícios mais curtos e mais intensos aceleram o metabolismo por mais tempo após o treino. Isso significa que a queima calórica tende a durar mais em momentos de repouso. Além disso, há conclusões científicas de que esse tipo de treino solicita um pouco mais da gordura que fica na região abdominal, entre os órgãos e vísceras, a mais nociva à saúde.

Fonte: Revista Época