Nosso corpo foi feito para “se mexer”!

temp

Onde fica aquela hora para cuidar da sua saúde, aliviar o estresse, praticar alguma atividade física? Já sei: fica perdida em meio a todos os afazeres do dia a dia. Essa poderia ser uma desculpa compreensível, a não ser por uma questão: o nosso corpo é a ferramenta mais preciosa que temos e ele precisa de exercícios físicos. Por mais exaustiva que possa ser a rotina, precisamos nos preocupar com correções posturais, fortalecimento das funções articulares, musculaturas e com o alívio do estresse mental.

A ausência de atividade física, ou sua diminuição – que também pode caracterizar o sedentarismo – é, nos dias atuais, uma preocupação da Organização Mundial da Saúde, uma vez que a partir dela temos fatores de risco para outras doenças.

Dito isso, proponho a você uma análise para encaixar dentro de sua semana ao menos 2 dias de atividade física. Vale até mesmo uma caminhada, se esse for o ponta pé inicial na busca de uma vida mais saudável, para depois entrar em um programa de exercícios orientados e prescritos por um profissional.

Vale a pena olhar para você mesmo. O começo pode ser difícil, entretanto, todo maratonista inicia sua longa jornada com um passo!

*Texto adaptado do artigo de Roger Alves para o jornal A Cidade

Exercícios físicos e a qualidade do sono.

D1FD4927-45EE-4BB1-8FEC-9B02639A7A99

Estudos comprovam que a prática de exercícios físicos ajuda para a melhora do padrão de sono, minimizando o número de despertares. A prática é reconhecida pela American Sleep Disorders Association como uma intervenção não medicamentosa.

QUAL A EXPLICAÇÃO?

Quando alguém se exercita, o organismo libera várias substâncias que podem melhorar a qualidade do sono. As principais são a endorfina que proporciona a sensação de bem estar, a dopamina que proporciona sensação de prazer, e a serotonina que é responsável por diminuir a ansiedade, promovendo o relaxamento.

A melhora é apenas em alguns aspectos específicos, indicando a necessidade de continuar as investigações sobre outros aspectos ainda não esclarecidos. Muitos estudos estão sendo realizados e, portanto, muitas informações precisam ser confirmadas.

Fonte: SEGS